Livre-se das suas varizes e derrames de forma eficaz

Sofrer de varizes é um problema de saúde muito comum, principalmente entre as mulheres. Além de degradar o aspecto das pernas, as varizes e os derrames causam sintomas desagradáveis, que impedem que se tenha uma boa qualidade de vida. Muitas pessoas que apresentam quadros de Doença Venosa Crónica - nome científico para as varizes - evitam serem tratadas por recearem os tradicionais procedimentos, normalmente muito invasivos. Mas, para gáudio de quem sofre desta patologia, os tratamentos para combater varizes da Cirurgia Vascular são totalmente diferentes de tudo o que até agora conheceu.

Recorremos a técnicas de tratamento por radiofrequência, que se baseiam em procedimentos muito pouco invasivos, transformando a experiência do paciente em algo totalmente suportável. Não espere mais tempo para tratar das suas varizes!

O que são, de facto, varizes?

As varizes são veias dilatadas, com formas proeminentes e tortuosas. Além de serem muito inestéticas, as varizes podem causar dor, cansaço, comichão e sensação de peso nas pernas, sintomas muito incómodos e que afectam a vida de quem sofre deste problema. Apesar de serem mais comuns nas pernas, as varizes podem surgir noutras partes do corpo também.

As veias são vasos sanguíneos que transportam sangue dos tecidos do corpo até ao coração e são dotadas de válvulas que ajudam o sangue a fluir. Quando essas válvulas não funcionam bem, o sangue retorna e formam-se poças nas veias, causando o seu inchaço e originando assim as varizes.

Se sofre deste problema, não adie mais o seu tratamento. Procure a ajuda dos profissionais da Cirurgia Vascular e elimine de vez as varizes que tanto a incomodam, através de procedimentos simples e indolores de radiofrequência.

Os derrames são diferentes das varizes?

Sim. Os derrames são dilatações de capilares na derme e as varizes são veias dilatadas e tortuosas de localização subcutânea, provocadas por alterações da estrutura das suas paredes. Os derrames são pequenos vasos sanguíneos que apresentam tonalidades que variam entre o vermelho, arroxeado ou azulado. Ambos são variações da Doença Venosa Crónica.

Independentemente do grau de complexidade do seu caso, os profissionais da Cirurgia Vascular sabem como responder-lhe de forma muito rápida e eficaz.

A radiofrequência é um tratamento seguro?

Sem dúvida! Por ser um procedimento muito menos invasivo do que os habituais tratamentos para varizes, a probabilidade de existirem complicações pós-operatórias é muito menor. Esta técnica consiste no aproveitamento da energia da radiofrequência para aquecer a parede da veia, através da colocação de um catéter no interior na cavidade da veia.

O aquecimento vai promover a diminuição das fibras de colagénio que existem na parede do vaso. O diâmetro da veia é reduzido e, simultaneamente, as proteínas do sangue são desnaturadas pelo calor, obliterando o vaso.

Num período aproximado de 10 a 12 meses, a veia vai fibrosar completamente, sendo depois impossível de detectar num exame ecográfico, apesar de, na realidade, nem ter sido extraída.

Contacte-nos já para marcar a sua consulta, através dos números 229 980 940 (Hospital de Dia da Maia), 229 980 900 (Hospital Privado da Boa Nova), 229 940 663(Centro Médico Leça da Palmeira) ou 255 820 700 (Sta Casa da Misericórdia de Lousada)

Saiba mais sobre Varizes »

Fontes:

Professor Dr. Sérgio Sampaio - Especialista em Angiologia e Cirurgia Vascular

Licenciado e Doutorado pela Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Fellow of the European Board of Vascular Surgery e membro de várias sociedades científicas, tais como Sociedade Portuguesa de Angiologia e Cirurgia Vascular, Sociedade Portuguesa de Cirurgia Cardio-torácica e Vascular, European Society for Vascular Surgery e Mayo Clinic Alumni Association. Dá aulas como Professor Auxiliar Convidado na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Assume desde 2009 a coordenação da equipa de Cirurgia Vascular do Hospital Privado da Boa Nova e inicia funções como delegado nacional em representação da Sociedade Portuguesa de Angiologia e Cirurgia Vascular.

Partilhe este artigo