Radiofrequência, tratamento eficaz das varizes

Muitas das pessoas que têm varizes receiam o tratamento cirúrgico convencional e a sua longa e supostamente dolorosa recuperação. Assim, o tratamento é adiado, o problema agrava-se e os resultados da intervenção tardia tornam-se menos satisfatórios. No entanto, actualmente, existe um tratamento que pode obviar estas questões: a radiofrequência.

O que é a radiofrequência?

radiofrequencia

Pode dizer-se que a ablação por radiofrequência é a grande alternativa ao tradicional stripping da veia safena, que é um método que consiste na extração desta veia. Ao contrário deste tratamento, a radiofrequência é um método minimamente invasivo de tratamento da insuficiência da veia safena, evitando a dissecção cirúrgica da região inguinal (virilha) que, para além de poder acarretar complicações locais, pode comprometer a drenagem linfática da parede abdominal e dos membros inferiores.

radiofrequência recorre ao aquecimento da parede da veia, através de um cateter aplicado no seu interior, que vai provocar a redução das fibras de colagénio, diminuindo o diâmetro da veia e obliterando o vaso.

A eficácia deste tratamento é elevada, acompanhando-se de uma recuperação mais rápida e confortável para o doente.

Quem pode fazer este tratamento?

Em princípio, a radiofrequência é adequada à maiorias pessoas. No entanto, é sempre importante a avaliação prévia numa consulta de cirurgia vascular, para que seja possível planear o tratamento mais adequado a cada caso.

Quando se pensa numa cirurgia, um dos principais receios dos pacientes prende-se com o método anestésico, pelo que esta consulta é também uma forma de, em conjunto com o médico, selecionar a anestesia mais adequada. É, no entanto, importante referir que a anestesia local é, na maior parte das situações, a opção mais correta - porque permite o permanente acompanhamento do paciente e uma recuperação mais célere.

A radiofrequência acarreta riscos?

É muito rara a ocorrência de quaisquer complicações no tratamento por radiofrequência.

Excepcionalmente, alguns doentes podem sentir, durante a segunda ou terceira semana após o tratamento, um ligeiro incómodo quando esticam ou dobram a perna tratada - mas que desaparece ao fim de alguns dias, correspondendo no fundo à tradução de um processo inflamatório que ocorre aquando da cicatrização subcutânea da veia intervencionada.

Como se pode facilmente perceber, a radiofrequência é um dos métodos de eleição dos nossos profissionais no tratamento da insuficiência das veias safenas, permitindo uma recuperação rápida e confortável.

É importante lembrar que as varizes, quando não tratadas, evoluem de forma negativa. Este percurso clínico caracteriza-se por uma velocidade variável de pessoa para pessoa mas é inexorável. Os estadios mais avançados da doença facilmente comprometem a vida pessoal e profissional. Não estamos assim perante um problema menor.

Procure ajuda junto da Cirurgia Vascular, preservando ou recuperando uma qualidade de vida que esta doença pode pôr em causa.

Saiba mais sobre Radiofrequência »

Fontes:

Professor Dr. Sérgio Sampaio - Especialista em Angiologia e Cirurgia Vascular

Licenciado e Doutorado pela Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Fellow of the European Board of Vascular Surgery e membro de várias sociedades científicas, tais como Sociedade Portuguesa de Angiologia e Cirurgia Vascular, Sociedade Portuguesa de Cirurgia Cardio-torácica e Vascular, European Society for Vascular Surgery e Mayo Clinic Alumni Association. Dá aulas como Professor Auxiliar Convidado na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Assume desde 2009 a coordenação da equipa de Cirurgia Vascular do Hospital Privado da Boa Nova e inicia funções como delegado nacional em representação da Sociedade Portuguesa de Angiologia e Cirurgia Vascular.

Partilhe este artigo